sábado, 15 de abril de 2017

"É Notícia no Rádio": Padre e Presbítero dialogam sobre os desafios da fé cristã no século XXI




Fotos: Flávio Amorim / É Notícia no Rádio




















A bancada do “É Notícia no Rádio” foi mais uma vez o cenário do encontro entre um líder católico e um líder evangélico. Na edição especial de Páscoa, veiculada na manhã deste sábado (15) pela rádio IGM 88.9, o programa recebeu o padre da Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus dos Aflitos e São Miguel, Ezequias Dantas, e o presbítero da Igreja Congregacional Vale da Benção II, Erivonaldo Araújo, para dialogar sobre os desafios da fé cristã no século XXI.

Violência, direitos humanos, aborto, diversidade étnica, trabalho e desemprego, meio ambiente, casamento e divórcio, relacionamentos homoafetivos e a globalização, entre outras, são algumas das questões sobre as quais a igreja contemporânea tem se deparado. Frente a esses desafios, a fé cristã se apresenta como instância que permite a abertura à verdade e oferece a salvação ao homem, por meio da fé no Filho de Deus, Jesus Cristo, que vencera a morte de cruz ao terceiro dia, instituído assim a Páscoa.


Após uma rápida apresentação do trabalho de pastoreio do padre Ezequias e do presbítero Erivonaldo, em suas respectivas denominações cristãs, os jornalistas Antonio Carlos e Josy Santos começaram a pontuar alguns temas contemporâneos e comuns a ambas às Igrejas, a exemplo da intolerância religiosa e o secularismo. “Nós não podemos tomar um posicionamento de tolerância aos que professam a sua fé em outras religiões. Dentro do conceito bíblico, nós entendemos que Deus proporcionou ao ser humano o livre arbítrio para que ele possa decidir a forma, o caminho e a fé que deseja professar. O fato é que todo e qualquer tipo de intolerância religiosa deve ser extinta de dentro do povo de Deus ”, respondeu Erivonaldo.


Ciente de que as religiões de matriz africana são os principais alvos de discriminação religiosa no Brasil, o padre Ezequias destacou o aspecto inter-religioso desta prática considerada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) como crime de ódio que fere a liberdade e a dignidade humana. “Precisamos ver a intolerância religiosa não só no âmbito cristão, mas essa postura discriminatória se estende a outras denominações religiosas pagãs. Nós temos o direito de professar a nossa fé e o dever de respeitar a condição religiosa do outro,” pontuou Ezequias. A perseguição religiosa fere a Declaração Universal dos Direitos Humanos, assinada na França em 1948. No artigo 18, a lei declara que todo homem é livre para pensar, ter consciência e religião, com liberdade para mudar de religião ou manifestá-la de forma coletiva ou isoladamente.

O crescente aumento no número de pessoas sem religiosa também foi uma questão abordada no encontro. Segundo o Senso Demográfico de 2010, o somatório de pessoas que não frequenta nenhuma igreja chega a 15 milhões, o que representa 8% dos brasileiros, tendo maior representatividade entre jovens de 16 e 24 anos. Para o padre Ezequias, umas das causas destes índices esta relacionada às decepções com os irmãos na fé e até mesmo com o líder religioso. “Eu costumo questionar as pessoas por quem elas estão na igreja. Se pelo padre? Pelo pastor ou por Jesus Cristo? Pois todos nós temos as nossas falhas, as nossas limitações e carecemos diariamente da misericórdia do Senhor. Então, não podemos personificar a nossa fé numa pessoa ou num líder religioso, pois quando um deles falhar será, aos nossos olhos, motivo de abandonar a igreja ou perder a fé. Esquecendo-se que o nosso alvo deve ser sempre o Cristo ressuscitado,” declarou.

Já o presbítero Erivonaldo acredita que as pessoas não estão querendo submeter-se aos ensinamentos bíblicos. “O maior desafio da igreja hoje é manter a ação doutrinária da palavra, esse é o legado que nós trazemos de Cristo e seus apóstolos, mante-la de certa forma imaculada dentro da própria igreja. Para tanto, precisamos ser firmes quanto aos conceitos doutrinários e bíblicos, conscientizando as pessoas de que são elas que devem mudar em relação ao evangelho e não o evangelho mudar em relação a elas. Essa postura cristocêntrica tem afastado as pessoas que julgam os seus conceitos mais adequados para a sua vida do que a Palavra de Deus”, enfatizou.

Se no Catolicismo, os fiéis que não frequentam a igreja são chamados de “não praticantes”. No contexto evangélico, os crentes sem igreja, mas que permanecem seguidores do Evangelho, receberam a nome de “desigrejados”. Para conhecer o posicionamento do padre e do presbítero sobre outros temas relacionados a prática da fé cristã, basta clicar no play abaixo e conferir a entrevista na integra.



O PROGRAMA

O “É Notícia no Rádio” destacou ainda o inicio da Campanha de vacinação contra gripe que deve atingir 54 milhões de pessoas; as propostas da reforma trabalhista que atingirá férias, banco de horas e outros pontos; o anuncio da contratação de 4.500 policiais e concurso público anual pelo Governo do Estado; as implicações que a reoneração da folha de pagamento causará ao Polo de Confecções; a programação do Caruaru por Paixão, além das dicas de Cinema para este final de semana.

O programa vai ao ar, todos os sábados, das 7h às 8h da manhã pela rádio IGM 88.9. Além do blog “É Notícia”, os ouvintes podem enviar as suas sugestões de pautas pelo WhatsApp (81) 9.8907-5045.

Por Antonio Carlos e Josy Santos / Fotos: Flávio Amorim / Áudio: Jair Sérgio

Nenhum comentário:

Postar um comentário