segunda-feira, 11 de julho de 2016

Após acordo, eleição para presidente da Câmara deve ficar para quarta


Após um fim de semana de intensas negociações, líderes partidários e o presidente em exercício da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), acordaram que a eleição para a presidência da Casa deve ser realizada na noite da próxima quarta-feira (13). Maranhão foi convencido neste domingo (10) por interlocutores do governo Michel Temer a antecipar a data da eleição, marcada anteriormente por ele para quinta. Ele deve anunciar a mudança após reunião de líderes nesta segunda.

Desde que a corrida pela presidência da Câmara, que estava limitada aos subterrâneos do Legislativo nas últimas semanas, foi deflagrada oficialmente na última quinta (7), quando Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renunciou ao comando da casa legislativa, a data da eleição se transformou em um conflito entre o presidente interino da Casa e líderes partidários.

No mesmo dia da renúncia, Maranhão marcou o pleito para a próxima quinta, mas foi desautorizado pelos líderes partidários, que a anteciparam para terça. Em retaliação, o presidente em exercício exonerou o secretário-geral da Mesa Diretora, o servidor Silvio Avelino, que participou da reunião dos líderes. Ele também mandou retirar as cabines de votação que já estavam sendo instaladas no plenário, e reafirmou que a eleição seria apenas na quinta.

O "Centrão", bloco mais alinhado a Eduardo Cunha, queria manter a eleição na terça para coincidir com a data da votação, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), de um recurso apresentado pelo peemedebista que tenta reverter a decisão do Conselho de Ética a favor da cassação de Cunha. Já os partidos independentes e de oposição queriam a eleição na quinta para ganhar tempo nas negociações para construir candidaturas capazes de vencer o bloco.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário