terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Após tumulto, Dilma sofre primeira derrota na votação de integrantes da comissão do impeachment

Fotos: Luiz Macedo/Câmara dos Deputados
Com 272 votos para a chapa 2, da oposição, e 199 votos para a chapa 1, governista, a presidente Dilma perdeu a primeira votação na Câmara dos Deputados. A votação polêmica era para compor a comissão especial de análise do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A eleição suplementar, para os demais deputados remanescentes, ficou para esta quarta-feira (9). Após tentativas de alguns deputados governisas de impedir a votação nas urnas dispostas em cabines de votação, líderes partidários tentaram convencer em vão o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, a suspender a votação da chapa para compor a comissão especial que analisará o pedido de impeachment.

A chapa 1 tinha indicações feitas pelos líderes da base governista com 49 membros. A chapa 2 foi formada, em sua maioria, por deputados que fazem oposição ao governo, com 39 inscritos. Havia tanto cartazes com a frase Dilma fica, como bonecos do pixuleco, com Lula vestido de presidiário. O número de cabines foi reduzido porque houve danos em algumas delas. Danos causados pelos próprios deputados. A votação foi secreta, por orientação do presidente Eduardo Cunha. Irônico, ele disse que o voto era secreto e não aceitou dizer em que chapa votou.

O PC do B, a pedido de Dilma, foi ao STF para tentar barrar, mas sem sucesso. O STF já havia dito que não iria se imiscuir na discussão legislativa, entrando apenas em questões de mérito. Pouco antes da votação, os deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Paulo Pereira da Silva (SD-SP) discutiram e foram contidos por colegas. Apesar do tumulto, a votação continuou nas cabines.

A comissão será formada por 65 membros e as chapas têm que ter o número mínimo de 33 integrantes. As vagas não indicadas na chapa vencedora serão preenchidas posteriormente com candidaturas de deputados pertencentes ao partido ao qual cabe a vaga.

Com informações da Agência Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário