segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Alunos do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos são medalhistas em campeonatos pernambucanos de Jiu-Jítsu


Prevenir as práticas ilícitas durante a formação de crianças e adolescentes, além de oportunizar o acesso às informações sobre direitos e participação cidadã, tem sido uma missão diária da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe através da Secretária de Cidadania e Inclusão Social. O núcleo do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) no bairro D. Lica I e II, tem acolhido diariamente aproximadamente 300 crianças e adolescentes para os treinos de jiu-jítsu, judô e capoeira. Entre outras ações socioeducativas, como palestras e encontros quinzenais para discussão de temas contemporâneos.

Para a secretaria de Cidadania e Inclusão Social, Alessandra Vieira, os diversos núcleos do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, espalhados pelo município, tem atribuições socioeducativas que visam contribuir para a formação dos usuários. “O SCFV tem um caráter preventivo e proativo, pautado na defesa e afirmação de direitos e no desenvolvimento de capacidades e potencialidades dos usuários, objetivando o alcance de alternativas emancipatórias para o enfrentamento das vulnerabilidades sociais,” explicou a Secretária. Além do bairro Dona Lica, contam com núcleos do SCFV, os bairros Santa Tereza, Bela Vista, Acauã, Oscarzão, Nova Santa Cruz e Palestina. Na zona rural, em Cacimba de baixo e na Vila do Pará.

O SCFV realiza atendimento a crianças e adolescentes, de 6 aos 17 anos, visando garantir especialmente o direito à convivência familiar e comunitária. Segundo a coordenadora do SCFV, Emanuela Silva, o programa ocorre por meio de trabalho em grupos ou coletivos e organizam-se de modo a ampliar trocas culturais e de vivências. “Buscamos desenvolver o sentimento de pertencimento e de identidade, fortalecer vínculos familiares e incentivar a socialização e a convivência comunitária. No caso do núcleo do bairro Dona Lica, as práticas esportivas do jiu-jítsu, judô e capoeira, tem proporcionado benefícios físicos e psicológicos para os assistidos pelos SCFV,” declarou a coordenadora. Os demais núcleos dispõem de oficinas de artesanato, teatro, música, percussão, entre outros.

As aulas de jiu-jitsu, acontecem diariamente no núcleo do Dona Lica, no contra turno do horário escolar dos alunos. A monitora, Meiry Farias, explicou com acontece algumas práticas socioeducativas no SCFV. “Mensalmente, a secretária de Cidadania e Inclusão Social, envia um estudo temático sobre os temas que norteiam a vida dos usuários. No dia 15 de cada mês, fazemos um grande encontro com todos os assistidos pelo nosso núcleo para dialogarmos sobre o tema proposto; e no dia 30, nos reunimos com todos os núcleos no teatro municipal para assistirmos as palestras.” Após cada atividade, seja nas dependências dos núcleos ou fora dele, é dedicado um tempo para o lance, onde crianças e adolescentes compartilham as experiências e ações do seu núcleo.

Professor do projeto social Gracie Barra – PE, o oficineiro Rogério Farias, ressalta que a prática de esportes contribui para que as crianças e adolescentes adquira hábitos saudáveis. “Neste núcleo, ensinamos e treinamos nossas crianças e adolescentes para o Jiu-Jitsu, uma modalidade esportiva que muda os hábitos alimentares e comportamentais de seus praticantes. Além de agregar valores e princípios para promoção da vida”, disse. Muitas das crianças e adolescentes assistidos pelo programa tornaram-se medalhistas. “Temos uma campeã mundial, um Pan-americano, um Sul-americano, um Mercosul e vários pernambucanos”, enumerou Rogério. Recentemente, o programa enviou 66 alunos para a primeira etapa do Campeonato Pernambucano, dos quais 58 retornaram com medalhas. A segunda etapa está marcada para os dias 12 e 13 de setembro e contará com 90 alunos do SCFV.

Disciplina e formação de Cidadãos

A disciplina pregada nas aulas de jiu-jítsu tem sido aprovada pelos pais das crianças acompanhadas pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. “A pratica do Jit-Jítsu oferecida por este núcleo, foi primordial para que o meu filho ficasse mais obediente e concentrado nos seus objetivos,” declarou o servidor público Jairo Nascimento. Opinião semelhante a do confeccionista Junior Nascimento. “Antes ela não participava de nenhum tipo de atividade esportiva, ao ingressar neste núcleo, ela se apaixonou pelo Jiu-Jítsu e hoje não perde uma aula. Pelo contrário, me lembra dos horários das aulas. Só a gradecer a prefeitura e ao professor Rogério pelo excelente trabalho realizado com nossas crianças.”

Assistido pelo programa desde os 09 anos de idade, Ronyanderson Santos, já participou de 15 campeonatos e sonha em alcançar a faixa verde. “Antes de participar do SCFV, eu não tinha nada pra fazer em casa, passava boa parte do tempo brincando na rua. Hoje, não perco uma aula do programa e se Deus quiser um dia serei mestre,” planeja o adolescente. O sistema de graduação de faixas de Jiu-Jítsu representado pela sequência de cores do Jiu-Jítsu foi criado com o intuito de uniformizar e facilitar o ensino e a prática do Jiu-Jítsu brasileiro. Para participar do SCFV, os pais ou responsáveis devem se dirigir a secretaria de Cidadania e Inclusão Social, com a cópia do RG, CPF, cartão do Bolsa Família e comprovante de residência do responsável e Declaração da Escola e RG ou Certidão de Nascimento, da criança ou adolescente.

Informações da Assessoria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário