segunda-feira, 9 de março de 2015

Reportagem relata motivo que levou Pedro Corrêa a não ter pena reduzida

Situação complicada da para Pedro Correa!

Reportagem divulgada na noite deste domingo (8) pelo Fantástico, da TV Globo, apontou que o ex-deputado Pedro Corrêa (PP) solicitou, na Justiça, a redução da sua pena de sete anos e dois meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no processo do mensalão, com base no tempo que trabalhou no período em que está preso.

A defesa do ex-deputado alega que ele trabalhou, dentro e fora da cadeia, mais de 200 dias desde quando foi encarcerado, em 2013. Pela legislação, a cada três dias trabalhados é reduzido um na pena. No entanto, a Justiça identificou que ele não prestou serviço pelo tempo que os advogados alegam.

De acordo com a reportagem, Corrêa vive em uma cela que tem banheiro individual, TV de tela plana, DVD, ventilador e fogão com botijão de gás. É a única assim, no Centro de Ressocialização do Agreste, em Canhotinho, a 210 quilômetros do Recife.

Os advogados do ex-deputado. Ainda de acordo com o Fantástico, pediram o benefício da remissão da pena sobre um total de 221 dias de trabalho e 450 horas dedicadas a um curso de ensino à distância. Mas, afirma, duas inspeções surpresas feitas nos locais de trabalho constataram que o ex-parlamentar não cumpria a carga horária como dizia.

Diante disso, o juiz Luiz Rocha, das Execuções Penais, se negou a diminuir a pena de Corrêa. “Essas irregularidades que nós enxergamos, nessa situação, nos levou e nos motivou, e nos convenceu a indeferir o pedido de remição dele”, afirma o juiz, na reportagem.

Entre os trabalhos executados por Corrêa, segundo a reportagem, está o de cuidar da cocheira da penitenciária e em uma clínica, em Garanhuns.

A defesa questiona a maneira com que as inspeções foram feitas. “É um procedimento absolutamente atípico, sem qualquer previsão e principalmente e o que é mais grave: sem a participação da defesa”, diz Plínio Nunes, advogado de Pedro Corrêa, na reportagem do Fantástico.

Fonte: Blog da Folha

Nenhum comentário:

Postar um comentário