terça-feira, 13 de janeiro de 2015

MAIS UMA VEZ VEREADORES DE OPOSIÇÃO FAZEM DENUNCIAS SEM FUNDAMENTO
Vereadores de oposição,Ernesto Maia, Carlinhos da Cohab, Fernando Aragão e Deomedes

Em participações no programa Estúdio 1, da rádio Polo FM, os vereadores da bancada de Oposição em Santa Cruz do Capibaribe Ernesto Maia (PSL), Carlinhos da Cohab (PSL), Deomedes Brito (PT) e Fernando Aragão (PROS) apresentaram duas novas polêmicas relacionadas ao novo Calçadão Miguel Arraes de Alencar.

Orçado em cerca de R$ 15 milhões, o novo Calçadão tem como objetivo dar um local digno a cerca de 4000 feirantes que ocupavam a antiga área conhecida como “Poeirão”, que ficava por trás do Moda Center Santa Cruz.

Com a inauguração da obra em 18 de dezembro de 2014, a tão sonhada primeira feira no novo espaço comercial era mais do que aguardada e ela aconteceu nesta segunda-feira (12), mas os dois dias que antecederam momento histórico foram marcados por polêmicas relacionadas à organização e distribuição das bancas de ferro destinadas aos feirantes.
Cada um deles pagou entre R$ 380,00 e R$ 400,00 por cada uma delas, bancas estas que foram confeccionadas também pela empresa RS Metalúrgica, sediada no município de Caruaru.

Passado o primeiro dia de feira, nesta terça-feira (13) surgiram duas novas polêmicas relacionadas a dois pontos que atingem diretamente as bancas de ferro dos feirantes.


Gravação apontaria que as bancas de ferro deveriam estar incluídas no valor total do projeto
Na primeira parte de suas participações, os vereadores apresentaram a cópia de parte de um áudio de uma entrevista concedida pelo ex-governador João Lyra Neto (PSB).

A entrevista foi concedida na Rádio Cultura FM de Caruaru em 26 de dezembro de 2014 e nela, o ex-governador afirma que a confecção das bancas de ferro estariam inclusas no valor total da obra.


“Investimos R$ 15 milhões e entregamos 4000 bancos às pessoas que não tinham condição de pagar. Sabe quanto eles pagaram? Zero! Não pagaram um centavo. O Governo não só investiu R$ 13,5 milhões na construção do galpão, são 25 mil metros de área… Imagine dois hectares e meio de área coberta e os bancos. Fizemos R$ 1,5 milhão no acesso, isso para atender ao pessoal que não podia pagar”, frisou o ex-governador.


Questionado por Ralph Lagos, debatedor do programa Rádio Debate, se João Lyra teria dito tal informação sem conhecimento de causa, o que poderia evidenciar um equívoco nas palavras ditas por ele na entrevista, Fernando Aragão retrucou e disse que João Lyra não diria algo assim se não conhecesse do projeto do Calçadão.
Vereador Carlinhos da Cohab alegou que empresa que construiu bancas de ferro não existia

Durante sua participação no programa, o vereador Carlinhos da Cohab (PSL) alegou que a empresa RS Metalúrgica não existiria e que, no local, situado na Rua Antônio Martins – 245, no Bairro Vassoural, haveria apenas um estacionamento.

O vereador chegou a apresentar algumas fotos, mostrando que, no endereço citado, há um estacionamento, mas a imagem não mostra, de maneira mais aberta, todo o local nas proximidades.


Investigações feitas pelo Blog aponta que denúncia dos vereadores não tem fundamento

A equipe do Blog do Ney Lima fez investigações com base nos conteúdos apresentados pelos vereadores e constatou que as afirmações feitas por eles tiveram como base um equívoco cometido pelo ex-governador.

Consultou também o Diário Oficial do Estado (DOE) com a data de 20 de setembro de 2013 e nele descreve que o valor do convênio firmado entre a Prefeitura e o Governo Estadual, no valor de R$ 13.298.149,19 foram, especificamente, destinados à construção da cobertura e do piso do Calçadão, ficando de fora as bancas de ferro.

Publicação do Diário Oficial
Empresa responsável pela confecção das bancas existe

Durante o andamento das investigações feitas pela equipe do Ney, foi comprovado que a empresa RS Metalúrgica existe, de fato.

Atualmente, a empresa funciona no Distrito Industrial de Caruaru, com endereço na Rua Francisco Cordeiro de Souza PDSA, Módulo II – 413, inclusive emitindo notas fiscais de todas as bancas com o endereço citado.

Para alegar que a empresa não existia, os vereadores usaram, como base, o endereço presente no talão de pedidos, onde funcionava a empresa e hoje funciona o estacionamento e o lava-jato, do mesmo dono.

Foto mostra a fachada do endereço antigo da empresa, onde funciona o estacionamento do mesmo proprietário...
Foto tirada pelo vereador Carlinhos da Cohab mostra apenas o interior do estacionamento.
O Blog conversou com o proprietário da empresa, Reinaldo Silva de Souza, que informou que, hoje mesmo, está produzindo 1200 bancas para o Calçadão.


Imagem da empresa onde sendo fabricado as bancas do Calçadão
“O problema é que muitas pessoas pediram as bancas de última hora, o que fez com que parte delas não fosse entregue no prazo da primeira feira”, disse Reinaldo.



Fonte: Blog do Ney Lima

Fotos: Blog do Ney Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário